Anorgasmia

Anorgasmia

O que é a anorgasmia




É a incapacidade de alcançar um orgasmo, a pesar de ter uma fase de excitação normal que tenha sido provocada por uma estimulação também normal em intensidade, duração e tempo, com as condições emocionais e físicas para alcançá-lo.

Esta inibição tem que ser constante e persistente para poder classificar dentro do termo
Hoje em dia, a anorgasmia é um dos principais problemas de disfunção sexual entre as mulheres sexualmente ativas, igual que o problema entre os homens está aumentando, trazendo consigo em muitos casos a simulação do orgasmo durante o ato.



O que provoca a anorgasmia?

As causas principais da anorgasmia são de origem psicológica em 95% dos casos.
A pesar disto, podemos listar uma série de problemas que levam à falta de orgasmo, dentro dos quais cabe mencionar:

  • Causas orgânicas: Como períodos de gravidez, climatério, andropausa, menopausa,  velhice. Estas são causadas pelas mudanças naturais do corpo que provocam alterações e/ou flutuações nos níveis hormonais e também de pensamento. 
  • Doenças (problemas hormonais, hipotiroidismo, diabetes avançadas, tumores, lesão medular) e consumo de medicamentos (narcóticos, antidepressivos, antipsicóticos e sedativos) que alteram a resposta sexual. 
  • Uso de drogas, álcool.
  • Traumas socioculturais, junto com estilos de educação muito convencionais que fazem ver a sexualidade como um pecado e provocam sentimentos de vergonha, culpa, fobia, pecado, baixa auto-estima, entre outros. 
  • Atitudes machistas.
  • Repressão familiar e educativa onde nunca se explica como é a resposta sexual humana.
  • Mutilação genital.
  • Doenças ou traumatismos na região corporal situada entre a vagina e o ânus, pênis ou zona testicular. 
  • Estimulação inadequada
  • Má comunicação com o par 
  • Musculatura pélvica e peri-vaginal fraca, atrofiada.
  • Temor ao abandono por parte do par depois do coito.
  • Medo a perder o controle sobre os sentimentos e a conduta.
  • Falta de informação sobre a sexualidade por parte do par. A desinformação e o desconhecimento são graves fatores.
  • Por outro lado, encontramos problemas de ansiedade, os problemas laborais e/ou familiares e stress.



Tipos de anorgasmia

Podemos distinguir basicamente dois grandes grupos para a classificação deste tipo de disfunção sexual. 
Eles são:

  • Anorgasmia primária: É quando nunca conseguimos consolidar um orgasmo nem através do coito, nem por masturbação, nem por estimulação direta do par, seja com a mão, boca e/ou brinquedo sexual.

  • Anorgasmia secundária: Esta se apresenta quando a pessoa não pode alcançar o orgasmo mantendo relações sexuais, mas sim através da masturbação ou estimulação direta do clitóris. 
    Também alguns especialistas falam sobre uma anorgasmia situacional quando se alcança o orgasmo só com determinados pares, em circunstancias especificas.

Voltar ao topo



Como tratar a anorgasmia?

Aqui apresentamos alguns conselhos de grande utilidade para alcançar essa culminação única e indescritível chamada orgasmo.

    • Explore o seu corpo nu, tente estar confortável. Descubra as suas partes mais e menos sensíveis; descubra como você gosta de se sentir, que movimentos, que caricias são as que você desfruta mais. 
      Conheça a sua vagina, toque os seus lábios maiores, pegue o seu pelo púbico e penteie-o com os seus dedos, seja sensível com o seu clitóris. Homens, conheçam seu pênis, que ritmo de estímulo o favorece mais, que outras zonas te excitam.  
      Use um espelho para te ajudar a conhecer os seus genitais. 
      Concentre-se na sensação das diferentes zonas do seu corpo,  músculos,  glúteos, peito, mamilos, cabelo, cara... 

    • Auto-estimulação, auto-estimulação, auto-estimulação...!!!

    • Esqueça da obsessão por conseguir o orgasmo, quem está estressado ou preocupado cria um caminho mais longo e pesado para chegar à meta orgástica. 

    • Faça exercício!! Fortaleça seus músculos e melhore a sua capacidade cardiovascular para incrementar a resistência durante o ato sexual.

    • Elimine atitudes negativas e preconceitos em torno ao sexo.

    • O conhecimento é básico para desfrutar de uma vida sexual plena.

    • Tenha sempre como objetivo o pleno desfrute da sua sexualidade pessoal.

    • Continue explorando o seu par na cama (ou onde for).

    • Disponha de tempo suficiente para a intimidade. Evite as interrupções nesse momento (celulares desligados, nada de televisão, nem barulheira excessiva....)

    • Incorpore e concentre os seus sentidos na relação sexual. Toque, palpe, saboreie, cheire, ouça, imagine...

    • O uso de lubrificantes ajuda a incrementar as sensações vaginais.

    • Relaxe-se previamente, tire da sua mente os problemas do trabalho, família, stress diário, a fadiga e o mau-humor. Concentre-se na relaxação do seu corpo.

    • Considere que a penetração é um procedimento relativamente ineficaz para produzir o orgasmo feminino. É por isso que  muitas mulheres precisam de uma estimulação que chegue a complementar a penetração do pênis na vagina, como o atrito no clitóris (estimulação direta), para poder alcançar o orgasmo.

    • Lembre-se que a penetração vaginal ou anal não é a única forma de se relacionar sexualmente com o seu par. Experimentar diferentes condutas sexuais pode beneficiar o aumento do desejo e facilitar o caminho ao orgasmo. 

    • Não se esqueça de que o tratamento da anorgasmia é individual. Não sempre os mesmos conselhos servem para todos os afetados, por isso, experimente quais são os que mais te ajudam.


    Ter uma alta auto-estima ajuda a incrementar a sensualidade que mostramos aos outros.


    Voltar ao topo

    500 Ideas

    ellas a ellos






    Voltar de Anorgasmia para Meu Guia Sexual